A Trompa

SUBSCREVER


Receba a newsletter d'a trompa

DISCO DA SEMANA


ARTIGOS RECENTES


YOU TUBE PLAYLIST


COMENTÁRIOS RECENTES


RSS DISCOS 2016: ACTUALIZAÇÕES


TROMPAQUIZ


ARQUIVO


Arquivo Mensal


CATEGORIAS


RSS NO SONS EM REDE


ESPECIAL

ocf2016

Partilhar


100 PALAVRAS & MAIS ALGUMAS|O Roteiro dos Acabados – Parte II

Rui DinisRui Dinis

Foi uma boa experiência a que fizemos há dias, a de recordar alguns nomes mais esquecidos, outros já retirados – definitivamente ou não, alguns mesmo ignorados. Hoje temos mais alguns para lembrar.
Desde logo, recordar os três maiores ícones da música popular portuguesa – digo eu; defendidos por admiradores – obviamente, há no MySpace páginas de homenagem a José Afonso, Amália Rodrigues e Carlos Paredes. Ainda no fado, como viver sem passar pela figura única de Alfredo Marceneiro? Não dá. Chegamos rapidamente aos percursores do punk-rock nacional, os Aqui d-El Rock, figuras activas do MySpace. Já em plena década de 80, o movimento punk nacional era então dominado por nomes como Grito Final, Ku de Judas ou pelos incontornáveis Crise Total – em actividade como Crise (quase) Total; entre outros. Numa outra onda, temas como “Glória” e o “O Canto e o Gelo”, transportam-nos para tempos de um inesquecível “A Um Deus Desconhecido”, álbum da Sétima Legião. Nas sonoridades mais extremas, dá também para recordar os Thormenthor, formados em 1986, nos últimos anos a responder por MOFO. Já noutra onda, outra vez, a passar dos 80 para os 90, os sónicos Santa Maria Gasolina em Teu Ventre, de Jorge Ferraz e companhia, têm mais para ouvir do que “Go West Celine”. Depois, no dealbar dos anos 90, nasciam os vegan straight edge X-Acto, outras das figuras do punk-hardcore nacional. Já no final do século XX, a espreitar o século XXI, uma referência ainda para os Raindogs de Roland Popp e amigos – hoje, com alguns elementos nos Corsage – e para um dos ícones do novo rock nacional, os Ornatos Violeta, viveiro de alguns dos mais activos músicos da actualidade: Manel Cruz, Peixe ou Nuno Prata. Para o fim, uma referência para um dos projectos mais marcantes de Barcelos: Kafka.

lista dos 30 mais vendidos
> X-Acto

Rui Dinis é um pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Comentários 4
  • BAD-RELIGION
    Posted on

    BAD-RELIGION BAD-RELIGION

    Author

    então e os flood ? e o ithaka? hehe :P semi-portugueses :)


  • jorge nunes
    Posted on

    jorge nunes jorge nunes

    Author

    ólhós gémeos maravilha…


This website uses cookies to offer you the best experience online. By continuing to use our website, you agree to the use of cookies.