olhares

OLHARES|”Self Shot Soul” – Bruno Rocha

Por em 7 Jul 2009

Falemos de “Self Shot Soul”, o disco de estreia de Bruno Rocha. É um disco competente, “resultado de 8 anos de viagens e vivências do artista. A passagem por Londres, verdadeiro melting pot de culturas, pela romântica Paris onde os arranjos são sofisticados, ou Bruxelas conhecida pela sua cena musical efervescente, muitos estados de alma vividos ganham agora contornos neste registo” (nota de imprensa). “Self Shot Soul” é um disco amadurecido, feito com tempo e pensado de uma forma autobiográfica – directa ou indirectamente. O resultado final, marcadamente rock, espreita sem vergonha o ser pop – na genuína vontade de se fazer ouvir, espreitando igualmente, de uma forma muito mais espaçada, algum jazz e blues – “That’s Alright” e “Time Enough” são exemplo dessa variação, sem querer esquecer o groove de “Nasty Weather”. Acompanhado por um naipe de excelentes músicos, entre os quais de destaca desde logo Rúben Alves, quer pelo seu trabalho de produção, quer pelo seu papel nos arranjos, através de toda a gama de teclados que levou para “Self Shot Soul” – hammond, fender rhodes, piano, wurlitzer, entre outros, Bruno Rocha contou ainda com as importantes participações de Vicky (bateria), Yami (baixo), Alexandre Manaia, David Moyse, Vasco Teodoro e Mário Simões, estes últimos todos na guitarra – sem querer esquecer Nélson Canoa e Rute Alves. Envolvente sonoridade.
O resultado final não deixa dúvidas; obtém-se um rock de arranjos consistentes e interpretação sem mácula. Abordado numa perspectiva clássica, e não sendo especialmente bafejado pela originalidade, o rock de Bruno Rocha tenta essencialmente soar bem, fazer-se ouvir, oferecendo com isso algum prazer a quem o ouve. Se era esta a ideia, o objectivo parece ter sido atingido. Sem criar um impacto retumbante, “Self Shot Soul” marca de uma forma positiva a estreia em disco de Bruno Rocha.

ouvir

capa de Self Shot Soul
“Self Shot Soul” – Bruno Rocha (Edição de Autor, 2009)

01 Love Queen
02 There Will Always Be Another Time
03 Never Too Long
04 Who’s Gonna Lead
05 Love Is An Addiction
06 Nothing’s Changed
07 Nasty Weather
08 Two White Angels
09 Sweet Love
10 Let Me Be Your DJ
11 That’s Alright
12 Time Enough

género: pop-rock

TAGS
RELATED POSTS

DEIXE UM COMENTRIO

Rui Dinis
Portugal

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Disco da Semana
Os últimos…de há muito
Redes Sociais
Por decisão pessoal, o autor deste blogue não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.