olhares

OLHARES|"Abertura" – Lupanar

Por em 21 Ago 2005

Há dias assim, há discos assim…
Os Lupanar chegaram para nos surpreender; pelo sol, pela alegria, pela festa que emanam, pela luz. 2005 já merecia um disco assim, que não sendo o melhor – pessoalmente -, é sem dúvida um dos mais felizes. Sim, é disto que falo, da felicidade. “Abertura”, assim se chama o álbum de estreia dos Lupanar (Tiago Rebelo na bateria, Ana Bacalhau na voz, Dídio Pestana na guitarra, Jan Peuckert no acordeão, Gonçalo Tocha na viola e Zé Pedro Leitão no contrabaixo).
Desta forma simples falamos da abertura de novas fronteiras, novas formas de fazer arte, de emanar paixão, de criar, de cantar e pensar, sempre em português. Há em “Abertura” uma riqueza lírica. Há, é preciso dizê-lo. Depois de 2001, data de nascimento desta criatura de estilo “bordel artístico-musical” – como os próprios se auto-intitulam – , os Lupanar tiveram como pontos altos da sua carreira, o 3º lugar na final do Termómetro Unplugged e a participação no aclamado CD de homenagem a Carlos Paredes, “Movimentos Perpétuos”.
Por outro lado, é um disco estranho à audição inicial, admito. Naturalmente só lhe posso aconselhar que se tal lhe acontecer, não desista!
“Abertura” é um dos discos mais frescos e extrovertidos surgidos nos últimos tempos cá pelo burgo, especialmente pela inventividade geral, pela originalidade das letras e dos arranjos, pela assunção de um risco, de peito aberto, o risco da criatividade. Os Lupanar criaram um universo próprio, onde as barreiras estilistas se vão esboroando a cada tema, ora mais pop, ora mais rock, ora mais tradicional, ora mais jazz, até mais fado, numa fusão de estilos em constante experimentação. Também aqui o universo Lupanar é apaixonante, tal a forma – em catadupa – como somos surpreendidos a cada tema que passa, pela forma experimental como nos experimentam. Muita coisa se subverte neste “Abertura”, principalmente na canção e na estrutura que a sustém, até com isso os Lupanar brincam para nosso gáudio. Mas há música, diferente, feita de melodias em constante contorcer sonoro; custa a entrar mas quando o faz, fica. Lupanar, fica na retina.
São 13 temas de uma versatilidade acentuada, de estímulos variados e bem fundados nos melhores e históricos exemplos da pop portuguesa mais criativa, com especial relevo para uns Mler ife Dada, obviamente. Depois temos Ana Bacalau, na voz…emoção a rodos.
Em “Abertura” nada surge por acaso, tudo é feito pelo prazer…de o fazer, de o oferecer…
Cá deste lado…Obrigado.


“Abertura” – Lupanar (2005/Ed. Autor)

01 Beijo frito
02 Ritmor
03 Roubadores
04 Contrabasse
05 Canção de Nanar
06 Escapa-nos o Tempo
07 Canção da Pêga
08 Caballondear
09 Rotalino Kino
10 Trilogia
11 Éstufado
12 Filhos de Lis
13 Bífido Cadillac

Pop
www.lupanar.org
Loja Lupanar

TAGS
RELATED POSTS

DEIXE UM COMENTRIO

Rui Dinis
Portugal

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Disco da Semana
Artigos Recentes
Redes Sociais
Por decisão pessoal, o autor deste blogue não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.