A TROMPA

Disco da Semana


artigos recentes


LIGAÇÕES QUENTES


Arquivo


[Especial Rodrigo Amado] “Spiritualized” com Lisbon Improvisation Players, 2006

Rui DinisRui Dinis

Em 2006 e mantendo um ritmo de edições assinalável, Rodrigo Amado voltava à carga com os Lisbon Improvisation Players, agora na companhia de Dennis Gonzalez, Pedro Gonçalves, Bruno Pedroso e Ulrich Mitzlaff. Sobre esse, o músico diz-nos:

spiritualized

Lisbon Improvisation Players – “Spiritualized” (Clean Feed, 2006)

Gravado em 2004 nos estúdios Cha Cha Cha, em Miraflores, o terceiro álbum dos Lisbon Improvisation Players (a foto da capa é minha, tirada próximo do escritório da editora, em Santo Amaro)
marca o encontro com o trompetista Texano Dennis Gonzalez naquele que foi um dos acontecimentos mais importantes do meu percurso como músico. Os primeiros contactos com o Dennis aconteceram durante o processo de design da capa de New York Midnight Suite, editado neste mesmo ano e cuja capa tem também uma fotografia minha. Conhecia bem a música dele através dos discos que tinha gravado nos anos 80 para a label sueca Silkheart, e era naquele período um dos músicos que mais me fascinava. Quando lhe fiz o convite aceitou de imediato e o nosso encontro em Lisboa foi fulgurante – como se nos conhecêssemos há muito mais tempo. Esse foi um fenómeno que se repetiu por diversas vezes ao longo dos anos – a empatia profunda e imediata com músicos que conhecia apenas através dos discos e cujas afinidades adivinhava através da música, de forma puramente intuitiva. Posso dizer que até hoje, nas dezenas de convites feitos a músicos estrangeiros, com os quais acabei por tocar e gravar, nunca fiquei desiludido. Antes pelo contrário. Mas regressando ao encontro com o Dennis, a nossa relação musical e pessoal continuou a evoluir ao longo dos anos, apesar deste ser o meu único disco onde o Dennis participa. Em 2006 o Dennis convida-me para uma digressão na east coast dos Estados Unidos com o grupo dele, Yells at Eels. Foi a minha primeira digressão no país (viria a fazer mais duas) e foi a primeira vez que estive em cidades como Austin, Houston ou Filadélfia. Já tinha estado nos EUA três vezes antes – em 1997 para uma visita (a primeira) a Nova Iorque; em 2001 para uma longa viagem, costa a costa, que durou cerca de um mês e meio, com início em São Francisco, descida de toda a costa passando por Los Angeles e San Diego até ao México (Baja California), para depois voltar a subir, fazer parte da Route 66, passar por Memphis e terminar a viagem em New Orleans (escusado será escrever o quanto esta viagem me marcou); e uma outra em 2005, onde fiz dois concertos em Nova Iorque (um deles uma verdadeira aventura, por me ter caído uma peça do saxofone logo no início do concerto – o meu primeiro concerto em NY!! – e mesmo assim ter terminado sem ninguèm dar por nada e com todo o público de pé a aplaudir) e dois outros em Dallas, também com o Dennis. Nesta primeira tour americana senti verdadeiramente que estava a viver um sonho – andar na estrada (estilo old school, numa carrinha de oito lugares) com músicos americanos, a tocar em todo o tipo de salas, desde auditórios para 300 pessoas a caves underground onde tocávamos para um público de punks (literalmente). Foi histórico. Mais tarde, em 2008, nova ocasião especial, com um convite para integrar a extensa digressão polaca dos Yells at Eels, organizada por um milionário Polaco. Viajávamos numa carrinha super confortável, ficávamos em hoteis incríveis e fizemos refeições épicas…enfim… um excesso completo. Fizemos cerca de 8 datas passando por alguns dos clubes mais importantes na Polónia e gravámos (ao vivo) o disco The Great Bydgoszcz Concert para a Ayler Records. Acho que foi o período one senti uma evolução mais intensa e consistente na minha forma de tocar. Andar na estrada é a maior escola. No ano seguinte fui novamente convidado pelo Dennis para fazer duas datas em Espanha – Madrid e Barcelona. Hoje, apesar da distância, o Dennis é como um irmão para mim, um irmão musical, e continua a ser uma das minhas grandes inspirações. O nome que dei na altura ao disco refere-se a isto mesmo.

Rodrigo Amado

Artigos anteriores:

2002 Lisbon Improvisation Players ‎– “Live_LxMeskla” (Clean Feed) Ler

2003 Rodrigo Amado, Carlos Zíngaro e Ken Filiano – “The Space Between” (Clean Feed) Ler

2004 Lisbon Improvisation Players – “Motion” (Clean Feed) Ler

Rui Dinis
Author

Rui Dinis é um pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado intermitentemente desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Comments 0
There are currently no comments.