faixa a faixa Featured olhares

Sobre o disco homónimo dos Thunder & Co. , faixa a faixa

Por em 3 Mai 2014

thunderco

O disco foi editado pela Duro e é o registo de estreia dos Thunder & Co., aqui, numa faixa a faixa respondido por Rodrigo Gomes:

[O.N.O. | OUVIR]

O produtor Cut Slack enviou-me um esboço instrumental de uma música que tinha um andamento engraçado e por isso chamámos-lhe de “Cavalinho”. O instrumental “cavalinho” puxou-me de imediato uma melodia de voz com algumas frases soltas que gravei para não me esquecer. Uns tempos mais tarde apaixonei-me e isso foi o suficiente para arranjar as palavras certas para a canção O.N.O. (one night only). Entretanto a música deixou de ser “cavalinho” e ganhou uma dimensão mais tristonha.

[T.A.C. | OUVIR] 

Eu vivia numa casa onde havia um gato chamado Velvet e o gato ia sentar-se ao meu colo no meu estúdio improvisado. Tínhamos uma relação porreira e até brincávamos às escondidas algumas vezes. Um dia estava a gravar um instrumental e o Velvet estava com ar de quem precisava de umas festas. Eu pousei o baixo e vou dar mimos ao cabrão do bicho que imediatamente me cravou as unhas na mão. Daí nasceu uma hook vocal para a canção “never trust a cat”. Eu sempre tive a ideia que odiava gatos e que nunca iria viver com nenhum… quis a vida que tivesse de morar com o Velvet e as frases “never say never, never trust a cat” vieram por causa dele.  Como não me apetecia escrever sobre animais de estimação, transpus essa história com o gato para uma canção de engate e nasceu o T.A.C. (trust a cat).

thundercoband

[Mayfield | OUVIR] 

O Sebastião ainda não fazia parte dos Thunder & Co. e andava a magicar com o nosso produtor Duarte Ornelas um instrumental onde, por coincidência, o refrão de uma música do Curtis Mayfield cabia na perfeição. Lá no estúdio andavam a passear o Pedro Tatanka dos Black Mamba, o fotógrafo Arlindo Camacho e a Leonor Correia (Malaise) que foram todos para o microfone cantar o refrão do Curtis. Eu lembro-me de ouvir aquilo e ficar puto da vida porque queria ter sido eu a ter aquela ideia. Convidei o Sebastião para fazer parte da banda, roubei a música para Thunder & Co. e meti lá a minha voz com as deles.

[D.Y.E. | OUVIR]

Outra música que nasce de uma colaboração com o produtor Cut Slack. Fui a casa dele um dia e ele mostrou-me outro instrumental que estava a fazer e perguntou se eu queria cantar. Eu arrisquei a cantar uma letra que tinha feito num outro esboço em minha casa e a coisa casou. Nasceu o que seria a primeira música original de Thunder & Co. a ver a luz do dia. Corria o ano de 2013.

[I.C.K.Y. | OUVIR]

Um dia chego ao estúdio e o nosso produtor tinha feito um beat que me prendeu de imediato e tinha criado uma melodia com uma coisa que não era nem vocode, nem talkbox nem auto-tune e ainda hoje não sei o que é. Apressei-me a escrever uma letra simples, relatable e repetitiva. O resultado final é um óptimo cartão de visita da música de Thunder… um disco dance emocional e lamechas.  [OUVIR]

TAGS
RELATED POSTS

DEIXE UM COMENTRIO

Rui Dinis
Portugal

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Disco da Semana
Artigos Recentes
Redes Sociais
Por decisão pessoal, o autor deste blogue não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.