recordações

RECORDAÇÕES|"Golpe de Estado" – Golpe de Estado

Por em 10 Mar 2006

Não resisti…há tempos que pensava neste golpe…
Com tanta Cindy pelo meio, para aqui e para ali, realizei a vontade, que já era enorme, de recordar a dupla lisboeta Golpe de Estado. Já lá vão 13 anos…quase, mais coisa menos coisa.
Nados em 1988 pela mão de Paulo Abelho e Tiago Lopes, membros dos históricos colectivos Sétima Legião e Linha Geral – que saudade, lá volta o hino ao play – os Golpe de Estado revelaram-se uma aventura razoavelmente bem sucedida por um campo ainda pouco explorado entre nós, na altura. Munidos, já, de maquinaria variada, os Golpe de Estado lançaram-se com a frescura que se lhes reconhece, num jogo de construção diversificada ao nível dos arranjos, participações vocais e alguma samplagem à mistura – contemporâneos de Ik Mux, próximos em algumas ideias.
Grande recordação…eu, quase imóvel, a ouvir Olavo Bilar em “Liberdad”, Francisco Ribeiro no excelente “Vox Prophetica” enquanto João Cabeleira se expõe num sempre curioso “James Bond” – Rodrigo leão tambén lá anda e Adolfo Luxúria Canibal participa em “Cyberpunk Generation”. Com a revolução ainda ali tão perto – mais ou menos, “Rev. 25” sampla “As Vozes do 25 de Abril” e da molhada de má memória entre polícias no Terreiro do Paço, outro pedaço sonoro é colado.
Com tanta Cindy pelo meio e em todo o lado, foi bom ouvir a pequena loucura sonora – às vezes, criativamente desgorvenada – deste Golpe de Estado, figura musical de inúmeras colagens e aplicações instrumentais variadas – onde nem a gaita de foles falta…claro.
Tão longe e tão perto…tão actual!


“Golpe de Estado” – Golpe de Estado (1993/Polygram)

Pop/Electrónica
Mais informação em anos80.no.sapo.pt/golpedeestado.htm

TAGS
RELATED POSTS

DEIXE UM COMENTRIO

Rui Dinis
Portugal

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Disco da Semana
Os últimos…de há muito
Redes Sociais
Por decisão pessoal, o autor deste blogue não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.