concertos

CONCERTOS|8ª Edição da Quinta dos Portugueses ao Vivo – Évora

Por em 27 Fev 2004

BBRRRR!

Que frio de rachar!

Correu bem, foi casa cheia, quase cheia!

Os Nagual abriram as hostilidades, com a casa ainda pouco composta, o trio disparou o seu rock acústico potente ainda que a necessitar de maior rodagem. Gostei da interpretação final.

Com algum nervosismo na entrada, os Houdini Blues, a jogar a casa, entraram com ”Tragic Queen” para aquecimento geral, tendo acabado a sua prestação a agitar as hostes com “Caballa” e “You are the Man”. Óptimo final com um bom original pelo meio.

Assente em “High on You”, recente EP da banda, os Grace com a afectuosidade do seu rock ofereceram-nos uma das prestações mais consistentes da noite. Interessante.

Dealema, começa a ser sinónimo de espectáculo, de empolgante. E foi. A grande prestação da noite a par dos Rádio Macau.

Com André Indiana começou a arrefecer o ambiente, não que as composições não sejam boas, não que André Indiana não seja de facto um grande guitarrista, o problema é que soube a pouco, não deu tempo. Talvez!

Com Blunder o arrefecimento continuou, o som é bom, convidativo mas…só deu para despertar no fim com “Blister in the Sun”, como que preparando o caminho para os Rádio Macau.

E com Rádio Macau se acabou a noite. E acabou bem. Muito bem. A capacidade de adaptação, reinvenção dos Rádio Macau não pára de nos surpreender. Soube a pouco a magia do fim de noite.

O Filme – Parte 1 (Nagual, Houdini Blues e Grace)

O Filme – Parte 2 (Dealema, André Indiana e Blunder)

O Filme – O Fim (Rádio Macau)

Prestações que mais gostei (sem ordem): Dealema, Rádio Macau e Grace

TAGS
RELATED POSTS

DEIXE UM COMENTRIO

Rui Dinis
Portugal

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Disco da Semana
Os últimos…de há muito
Redes Sociais
Por decisão pessoal, o autor deste blogue não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.