especial

João Afonso fala sobre “Sangue Bom” – Parte II

Por em 13 Fev 2014

João Afonso está de volta aos álbuns de originais e deixou-nos algumas palavras sobre o mesmo. Segue-se a segunda parte dessa ‘conversa’:

Ler também: Parte I |

joaoafonso3

Quando o João Afonso olha para este novo álbum, e não apenas em relação a “Outra Vida”, que principais diferenças se podem encontrar em relação a tudo o que já editou?
Procurei e procurámos outras sonoridades e claro, este disco em relação aos outros não tem a minha autoria nos poemas mas sim de dois grandes amigos e grande escritores , O Zé Eduardo Agualusa e o Mia Couto.

 Uma questão mais rápida e que serve para entrarmos em definitivo no novo disco: Que “Sangue Bom” é este?
“Sangue bom” é  construído como uma narrativa de histórias e mistérios de Mia Couto e de José Eduardo Agualusa com a minha musicalidade e do Vitor Milhanas e de todos os músicos . A riqueza dos arranjos do Vitor realça, a meu ver, a sonoridade lusófona deste disco.

Por onde viaja e respira este “Sangue Bom”; em Portugal, Angola, Moçambique, na diáspora lusa, no mundo?
“Sangue bom ” viaja por essa sonoridade lusófona vestida por kissanges e guitarras, marimbas e adufes… o Brasil e até a Galiza estão presentes com o Fred Martins e o Anxo Pintos. Sangue bom que vive com a força das palavras de Mia e de Agualusa.  Eu próprio sinto-me luso. Moçambicano e confesso que me identifico tanto com muitas das letras/poemas dos dois que os considero um pouco minhas quando as canto (Continua…). [WORLD | OUVIR]

JOAO 2

TAGS
RELATED POSTS

DEIXE UM COMENTRIO

Rui Dinis
Portugal

Rui Dinis é um bi-pai 'alentejano' nascido em Lisboa no ano de 1970, dedicado desde Janeiro de 2004 à divulgação da música e dos músicos portugueses.

Disco da Semana
Artigos Recentes
Redes Sociais
Por decisão pessoal, o autor deste blogue não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.